O Brasil faz parte do grupo de países que se recuperam rapidamente da crise no setor aéreo. Em janeiro de 2020, aviões que decolaram ou pousaram no país transportaram mais de nove milhões de pessoas. Três meses depois, com o avanço da Covid-19, o número caiu 20 vezes. Abril foi o pior da pandemia para o setor, com apenas 400 mil passageiros. O número de bilhetes emitidos no mundo é 60% menor do que antes da pandemia. Ainda falta muito para se falar em normalidade, mas China, Estados Unidos e Brasil são os países que mais rápido mostram sinais de recuperação. Com o avanço da vacinação, os números de julho da Associação Internacional de Transporte Aéreo mostram sinais de retomada sólida. A demanda por viagens aéreas nacionais e internacionais apresentou aumento significativo, apesar de continuar muito abaixo dos níveis pré-pandemia. O Brasil evoluiu de uma queda no mercado doméstico de 31,1% em junho deste ano (comparado a mês de 2019), para recuo de 19,6% em julho, em comparação com o mesmo período de 2019.

*Com informações do repórter Elisângela Almeida