O diretor de dados da Casa Branca fez um apelo nesta segunda-feira, 2, aos 90 milhões de americanos que ainda não se vacinaram: “Façam sua parte, arregacem as mangas e se vacinem”, disse Cyrus Shahpar, que usou uma rede social para fazer um balanço da campanha de imunização no fim de semana. Apenas no domingo, 1º, foram aplicadas 468 mil doses de vacinas, o que representa um aumento de 257 mil em comparação com a semana anterior. Do total, 320 mil foram aplicadas em pessoas que não haviam tomado sequer a primeira dose. O governador de Nova York, Andrew Cuomo, também pediu ajuda da população do Estado. Depois que os teatros da Broadway e um grupo de restaurantes anunciaram na semana passada que vão exigir comprovante de vacina aos clientes, o político disse que espera a adesão de todo o setor privado. Essa é mais uma tentativa de controlar a disseminação da variante Delta, que tem provocado um aumento dos casos de Covid-19 no país.

Andrew Cuomo também anunciou que vai exigir a imunização dos funcionários da companhia responsável pelo transporte público estadual. No caso dos teatros, a exigência vai vigorar ao menos até outubro. Além da plateia, os artistas e todos os outros profissionais dos bastidores das apresentações também terão de comprovar que estão imunizados, enquanto o público precisa ter tomado a segunda dose da vacina, ou um imunizante de dose única, ao menos 14 dias antes do espetáculo que pretende assistir. Os Estados Unidos atingiram a marca de 70% da população adulta com pelo menos uma dose das vacinas nesta segunda-feira. Inicialmente, o presidente Joe Biden havia prometido atingir o percentual em 4 de julho, Dia da Independência. No entanto, a vacinação foi prejudicada porque milhões de americanos dizem não confiar nas vacinas, acreditam em notícias falsas divulgadas pela internet ou se opõem politicamente ao presidente democrata. Pesquisas recentes mostram que áreas que apoiaram o ex-presidente Donald Trump nas últimas eleições têm as taxas de imunização mais baixas do país.

*Com informações da repórter Camila Yunes