Pelo menos nove pessoas morreram após uma enchente relâmpago atingir a região de Kastamonu e as províncias de Batin e Sinop, na Turquia, entre a quarta-feira, 11, e esta quinta-feira, 12. De acordo com o Diretório de Controle de Desastres e Emergências do país, a maior parte das vítimas morreu afogada ou atingida por detritos trazidos pela água. Uma delas morreu de um ataque cardíaco no momento da enchente. Pelo menos 900 pessoas foram evacuadas de áreas atingidas com ajuda de helicópteros e uma série de pontes caiu ou ficou danificada, o que deixou alguns municípios ilhados. Imagens divulgadas na TV mostraram dezenas de carros sendo arrastados pela força da água. A ocorrência de enchentes do tipo não é rara na região. Em 2020, pelo menos cinco pessoas morreram pelo mesmo motivo.

A expectativa é de que a chuva que atinge a região melhore apenas nesta sexta-feira, 13, e o número de mortos pode subir. As cenas de destruição causada pela água contrastam com os incêndios florestais vividos pelo país na última semana. Na costa sudeste do país, um dos piores casos de propagação de fogo destruiu uma área três vezes maior de florestas do que no ano anterior, deixou mais de oito mortos e causou a evacuação de centenas de milhares de pessoas. Críticos ao presidente Recep Tayyip Erdogan afirmam que a ação do governo para conter o fogo foi lenta e apontam que eles gastaram somente 2% do orçamento do ano do país para fazer obras e adquirir equipamentos que controlem incêndios.