A Agência Reguladora dos Estados Unidos (FDA) anunciou nesta quinta-feira, 13, a autorização para que pacientes imunossuprimidos (que não têm imunidade ‘dentro dos padrões’ por fazerem tratamentos como os contra câncer e HIV) recebam terceiras doses de vacinas da Pfizer e da Moderna contra a Covid-19. “A ação de hoje permite que médicos potencializem a imunidade em indivíduos imunossuprimidos que precisem de proteção extra contra a doença”, afirmou a comissária interina do FDA, Janet Woodcock, em posicionamento oficial do órgão. Apesar do posicionamento da agência reguladora, a aplicação efetiva das terceiras doses no país ainda serão discutidas com o Centro de Controle de Doenças em uma reunião a ser realizada nesta sexta-feira, 13. Apenas se a recomendação for aceita pelo comitê de vacinas do centro as doses passarão a ser administradas.

A medida é uma forma de tentar proteger pessoas vulneráveis da variante Delta da doença, mais contagiosa do que outras e predominante no país norte-americano, aumentando as internações, principalmente entre aqueles que se recusaram a receber as vacinas. O país estima que 2,7% de toda a população adulta dos EUA seja imunossuprimida e aponta que eles representam 44% dos casos de hospitalizações pela Covid-19. Quatro pequenos estudos chancelados pelo CDC no último mês mostraram que entre 16% e 80% da população imunossuprimida não tinha qualquer anticorpo detectável contra a Covid-19 após receber as duas doses. A aplicação de uma terceira dose teria desenvolvido um nível de proteção em até 50% entre a população de vacinados sem anticorpos.