O Pentágono dos Estados Unidos confirmou na manhã desta quinta-feira, 26, que uma grande explosão foi registrada do lado de fora do aeroporto de Cabul, no Afeganistão. Ainda na terça-feira, 24, o presidente Joe Biden afirmou que o local, que funciona como única porta de saída de estrangeiros do país desde que as forças talibãs tomaram conta do governo, está sob ameaça de atentado terrorista do Estado Islâmico de Coraçone (Isis-K), braço do Estado Islâmico na Ásia Central que se opõe ao Talibã e aos norte-americanos por não acreditar em um estado nacional de direito e pregar bandeiras “contra o colonialismo”. Apesar das ameaças, as autoridades ainda não confirmaram se a explosão foi causada por um ataque. “As causalidades ainda não são claras e vamos dar detalhes quando pudermos”, disse o porta-voz do Pentágono, John Kirby. Apesar da confirmação, os voos continuam a operar normalmente. Oficiais do Exército dos Estados Unidos desconfiam que a explosão registrada tenha sido causada por um homem-bomba em um ataque suicida. Em conversa com agências de notícias locais, um oficial que não foi identificado confirmou que há pelo menos três soldados norte-americanos feridos entre as vítimas da explosão, informação que ainda não foi confirmada oficialmente pelo Pentágono.

O aeroporto tem sido palco de cenas de desespero há mais de uma semana. No primeiro dia de ocupação dos talibãs em Cabul, imagens de cidadãos afegãos tentando sair do país pelo lado de fora de uma aeronave militar e chegando a cair dos aviões no momento da decolagem viralizaram nas redes. Algumas pessoas morreram pisoteadas na pista de decolagem e o exército dos EUA e de países parceiros passou a tomar conta do local. Com a pista liberada, voos chegam a sair a cada 40 minutos do país, mas o lado de fora do aeroporto continua em situação caótica de aglomeração de pessoas, o que levantou o alerta de possibilidade de atentados. Os EUA e o Reino Unido foram alguns dos países que avisaram aos seus cidadãos para não se aproximar da pista pelo risco terrorista.

Pelas redes sociais, o jornalista Mahboob Rahman, da rádio e TV local Rostam, publicou imagens do desespero após as explosões e afirmou que, segundo informações iniciais de testemunhas, pelo menos 10 soldados estrangeiros teriam sido mortos. O ministério da Defesa do Reino Unido divulgou nota informando que busca entender o que aconteceu no local e o impacto que isso pode ter nos esforços de evacuação do país. “Nossa maior preocupação é a segurança do nosso pessoal, sejam eles cidadãos britânicos ou afegãos. Estamos em contato direto com os Estados Unidos e outros países aliados para responder a este incidente de forma imediata”, disse. Veja, abaixo, vídeo e fotos divulgadas pela imprensa local. As imagens são fortes.