A administração do governo Joe Biden decidiu manter em vigor uma medida do governo Donald Trump que expulsa centenas de milhares de imigrantes. De acordo com a Casa Branca, a decisão foi tomada após um aumento considerável no número de casos de Covid-19 no país e o alto número de imigrantes que cruzam as fronteiras, principalmente do Sul. A decisão foi confirmada pelo Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) e representa uma mudança no governo. As expectativas eram de que as regras fossem suspensas neste verão, depois de mais de um ano da imposição de Trump, conhecia como Título 42. O mecanismo pode ser acionado quando se constata um “sério risco” de disseminar algum vírus.

Nas últimas semanas, os Estados Unidos, em especial a Flórida, voltaram a registrar altos números da pandemia — o que confirma uma nova onda da doença encabeçada pela variante delta. Segundo os EUA, a disseminação acelerada do vírus acontece quando os oficiais de fronteira estão sobrecarregados com o ritmo persistente da migração ilegal. Permitir que mais migrantes entrem no país ao suspender a regra representa uma ameaça de crise humanitária, diz o país. Biden, há meses, já sofria pressão interna de democratas e ativistas de direitos humanos para revogar a decisão do republicano, afinal ele foi eleito com uma bandeira mais flexível às imigrações. Inclusive, na última segunda-feira, 2, a União das Liberdades Civis Americanas (ACLU, na sigla em inglês), afirmou que seguiria com um processo para forçar o governo a suspender o Título 42 para as famílias dos imigrantes já que “não há qualquer plano imediato” para a revogação.