A ex-candidata à presidência do Peru, Keiko Fujimori, reconheceu nesta segunda-feira, 23, Pedro Castillo como presidente mais de um mês após o Júri Nacional de Eleições (JNE) ter proclamado a vitória do professor e mais de dois meses após a realização das votações nas urnas do país. Castillo teve vitória com 50,12% dos votos válidos, uma diferença de 44.263 cédulas em relação à rival. “Reconheço o senhor Pedro Castillo como presidente da República do nosso país. Espero que ele escute o sentimento das grandes maiorias e que tenha um bom mandato nos próximos cinco anos”, disse a herdeira política de Alberto Fujimori em entrevista à emissora “RPP”. A política atrasou a proclamação do mandatário após considerar o processo como “ilegítimo” e denunciou supostas fraudes sem qualquer prova por semanas. 

Esta é a primeira vez que Fujimori reconhece o poder de Castillo. Antes disso, ela tinha apenas afirmado que aceitaria o resultado da revisão dos votos para seguir a Constituição. Ao longo de meses, a equipe da candidata do Força Popular esgotou todas as instâncias da Justiça peruana. Apesar de reconhecer a derrota, Keiko voltou a alertar à população sobre supostos perigos do governo de Castillo. “É essencial que os nossos cidadãos estejam muito atentos, especialmente porque vemos que existe uma intenção de manter o seu plano radical. Há ainda muitos alertas que nos preocupam de que querem transformar o nosso país em Cuba ou na Venezuela”, opinou. O pai de Keiko, Alberto Fujimori, governou o país entre os anos de 1990 e 2000.