O Secretário de Assuntos Externos do Reino Unido, Dominic Raab, confirmou nesta sexta-feira, 27, que três cidadãos britânicos morreram no atentado terrorista cometido em um dos portões do aeroporto de Cabul, no Afeganistão, nesta quinta-feira, 26. “Eu estou terrivelmente triste em saber que dois britânicos e o filho de outro britânico morreram nos ataques terroristas de ontem. Outros dois ficaram feridos. Essas pessoas eram inocentes e é uma tragédia que eles foram terrivelmente assassinados por terroristas ao buscar uma saída segura para o Reino Unido”, afirmou em comunicado. A identidade das vítimas não foi confirmada pelas autoridades, mas o governo afirmou que faz “tudo o que está ao alcance” para dar suporte aos familiares das vítimas.

Um dia antes do bombardeio na região, o Reino Unido tinha lançado um comunicado aos seus cidadãos pedindo que eles se afastassem do aeroporto por causa de possíveis ataques terroristas. Até o momento, segundo agências internacionais, pelo menos 170 pessoas morreram, a maior parte delas era cidadã do país asiático. Além dos britânicos, pelo menos 13 soldados dos Estados Unidos morreram na explosão. O presidente do país, Joe Biden, jurou vingança ao Estado Islâmico, que confirmou a autoria do atentado algumas horas após a ocorrência. A data final para retirada das tropas estrangeiras do país é o dia 31 de agosto, mas o Reino Unido já suspendeu as operações no local. A estimativa é de que entre 100 e 150 cidadãos do país sejam “deixados para trás”. Eles poderão tentar voltar para casa se voos comerciais forem estabelecidos no aeroporto em setembro.