A Corte de Presnensky, em Moscou, puniu nesta sexta-feira, 27, as russas Artemy Pityukov e Ksenia Bezdenezhnykh por fazerem um protesto a favor dos direitos das mulheres afegãs no país da Ásia Central. De acordo com um porta-voz do distrito, as duas foram processadas por fazerem uma “pequena performance” diante da Embaixada do Afeganistão, na capital russa, na última segunda-feira, 23, e receberam a sentença nesta quinta-feira. O conteúdo da performance, porém, não foi detalhado pelas autoridades. Elas foram detidas com outras quatro mulheres, que receberam apenas avisos antes de serem liberadas. Por serem “reincidentes” em protestos, cada uma deverá desembolsar 200 mil rublos russos (equivalente a R$ 14 mil) por “violar a ordem pública” no país.

A situação das mulheres no Afeganistão com a tomada do poder das áreas urbanas do país por parte do Talibã gera preocupação internacional, já que as forças insurgentes são conhecidas por não admitir participação ativa de pessoas do sexo feminino na política ou em atividades básicas do dia a dia. Pouco após os rebeldes assumirem a cidade de Cabul, a Organização das Nações Unidas lançou um comunicado afirmando que vê a situação com preocupação. “Os direitos de mulheres e garotas no Afeganistão precisam seguir apenas uma direção, e essa direção é para frente. Mulheres e garotas afegãs têm cumprido um papel fundamental na história do país e é essencial que elas continuem fazendo isso com os seus direitos protegidos”, pontua trecho do documento. O órgão disse, ainda, que entrou em contato com o país para assegurar os direitos humanitários das mulheres.