Embora o brilho da Lua possa ter escurecido a chuva de meteoros Líridas em abril, os observadores de estrelas terão outra oportunidade de observar os corpos celestes com a Eta Aquáridas, próximo fenômeno que terá pico no dia 5 de maio, de acordo com as previsões da American Meteor Society.

As previsões do pico variam, no entanto, e a chuva ainda deve ser visível nas horas que antecedem o amanhecer nos dias 4, 5 e 6 de maio de 2022, segundo a EarthSky.

As Eta Aquáridas, nomeadas em homenagem à constelação de Aquário, derivam dos destroços do Cometa Halley, o conhecido cometa que é visível da Terra a cada 76 anos, segundo a Nasa. A última vez que o cometa foi visto em nosso céu foi em 1986, e não aparecerá novamente até 2061.

Enquanto as Eta Aquáridas são visíveis tanto do Hemisfério Norte quanto do Hemisfério Sul, elas são melhor visualizadas no Hemisfério Sul, onde os meteoros estarão mais alto no céu noturno, de acordo com a Nasa.

No norte, os meteoros aparecerão mais baixos no céu como “terragrazers”, o que significa que passarão pelo horizonte da Terra, de acordo com a Nasa.

Eta Aquáridas são conhecidos pela rapidez com que viajam, que pode atingir uma taxa de 238 mil quilômetros por hora, segundo a Nasa. Os meteoros produzirão “trens” brilhantes que permanecem no céu por vários segundos após o meteoro ter atravessado o céu.

A chuva de meteoros estará ativa até 27 de maio.

Mais chuvas de meteoros
Os Delta Aquáridas são mais visíveis dos trópicos do sul e atingirão o pico entre 28 e 29 de julho, quando a Lua estiver 74% cheia.

Curiosamente, outra chuva de meteoros atinge o pico na mesma noite — os Alfa Capricornídeos. Embora esta seja uma chuva muito mais fraca, sabe-se que produz algumas bolas de fogo brilhantes durante seu pico. Será visível para todos, independentemente de qual lado do equador eles estejam.

A chuva de meteoros Perseidas, a mais popular do ano, atingirá o pico entre 11 e 12 de agosto no Hemisfério Norte, quando a Lua está apenas 13% cheia.

Aqui está a programação da chuva de meteoros para o resto do ano, de acordo com a previsão da chuva de meteoros da EarthSky.

8 de outubro: Draconídeos
21 de outubro: Oriónidas
4 a 5 de novembro: Táuridas do Sul
11 a 12 de novembro: Táuridas do Norte
17 de novembro: Leônidas
13 a 14 de dezembro: Geminídeos
22 de dezembro: Úrsidas
Luas cheias em 2021
Ainda há oito luas cheias por vir em 2022, com duas delas se qualificando como superluas.

As definições de uma superlua podem variar , mas o termo geralmente denota uma lua cheia que é mais brilhante e mais próxima da Terra do que o normal e, portanto, parece maior no céu noturno.

Alguns astrônomos dizem que o fenômeno ocorre quando a lua está dentro de 90% do perigeu – que é sua aproximação mais próxima da Terra em órbita. Por essa definição, a lua cheia de junho, bem como a de julho, serão consideradas eventos de superlua.

Aqui está uma lista das luas restantes este ano, de acordo com o Almanaque dos Agricultores :

16 de maio: Lua das flores
14 de junho: Lua de morango
13 de julho: Lua dos Cervos
11 de agosto: Lua do esturjão
10 de setembro: lua cheia
9 de outubro: lua do caçador
8 de novembro: lua do castor
7 de dezembro: Lua fria
Eclipses solares e lunares
Um eclipse solar parcial em 25 de outubro será visível para aqueles na Groenlândia, Islândia, Europa, nordeste da África, Oriente Médio, oeste da Ásia, Índia e oeste da China. A primeira foi em 30 de abril.

Eclipses solares parciais ocorrem quando a Lua passa na frente do Sol, mas apenas bloqueia parte de sua luz. Certifique-se de usar óculos de eclipse adequados para ver com segurança os eclipses solares, pois a luz do sol pode ser prejudicial aos olhos.

Haverá também dois eclipses lunares totais em 2022.

Um eclipse lunar total será visível para aqueles na Europa, África, América do Sul e América do Norte (exceto para as regiões do noroeste) entre as 22h31 (horário de Brasília) de 15 de maio e as 3h52 de 16 de maio.

Outro eclipse lunar total também estará em exibição para aqueles na Ásia, Austrália, Pacífico, América do Sul e América do Norte em 8 de novembro entre 4h01 e 9h58 — mas a Lua estará se pondo para aqueles em regiões orientais da América do Norte.

Um eclipse lunar pode ocorrer apenas durante a Lua cheia, quando o Sol, a Terra e a Lua se alinham e a Lua passa para a sombra da Terra. A Terra projeta duas sombras na Lua durante o eclipse. A penumbra é a sombra externa parcial, e a umbra é a sombra total e escura.

Quando a lua cheia se move para a sombra da Terra, ela escurece, mas não desaparece. A luz do sol que passa pela atmosfera da Terra ilumina a Lua de maneira dramática, tornando-a vermelha – e é por isso que esse evento é frequentemente chamado de “lua de sangue”.

Dependendo das condições climáticas da sua área, a lua pode parecer enferrujada, cor de tijolo ou vermelho-sangue.

Essa variabilidade de cores acontece porque a luz azul sofre uma dispersão atmosférica mais forte, então a luz vermelha será a cor mais dominante destacada à medida que a luz do sol passa pela nossa atmosfera e a lança na lua.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui